Publicidade

Postagem em destaque

10 Lições que aprendi na faculdade de Arquitetura

Recebo algumas correspondências falando de como os leitores gostaram dessa ou de outra postagem aqui do blog. E sempre fico super feliz! É ...

2014/02/25

Cottage - a casa, não o queijo

Fonte
Viver em um palácio sempre ninguém aguenta. Nem a Maria Antonieta, aquela rainha que perdeu a cabeça. Antes ela ganhou de seu marido uma "modesta" casinha de campo onde brincava de ser camponesa. Mas reza a lenda que nem aí ela aprendeu a empreender as necessidades das massas menos favorecidas e deu no que deu...

Mas novos tempos, novas relações sociais e econômicas e a necessidade de ter um lugar para chamar de meu refúgio continua a povoar os sonhos de quem já conseguiu o básico, um bom trabalho que permita a sobrevivência e algo mais, uma casa para morar todo dia e mais alguns luxos. 

Resta o sonho da Cottage. Lindo esse nome. Bem europeu e significando essa casa pequena, meio sem luxos, onde se refugiar do dia a dia e brincar de camponês hoje em dia. Uma vez se chamava de chalet por aqui, hoje casa de campo cabe bem. Mas Cottage é bem mais charmoso.

Cottage que se preze pode ser simples, mas sempre cabe alguns luxos. Uma adega para os vinhos que acompanharão os queijos (cottage talvez) pode estar em um nicho da parede. Serve de enfeite também.

Campo para gaúcho também lembra serra. E serra lembra frio. Logo, uma boa lareira se faz necessária. Tudo bem, essa é a base de etanol. Mas no meio do campo até pode ter uma com boa chaminé e um fogão a lenha. Afinal cortar lenha faz parte do exercício de viver uma vida simples.
Sustentabilidade afetiva sempre caracterizou as segundas casas, sejam de praia ou de campo. Normalmente é para onde iam, ou vão, os moveis antigos, as lembranças de família e aquele ar de muito aconchego!
Cottage tem tudo a ver com viver o verde. Um belo jardim faz parte do encanto de estar no campo. Recantos gostosos de ficar, observar e respirar ar puro. Vale uma estufa para sementes e local onde guardar ferramentas de jardim.  
E já que a proposta é viver em simplicidade, o reciclar e renovar móveis antigos faz parte da brincadeira. Aquela cômoda que estava de canto, ganha nova cara com uma bela pintura e aplicações de tecido e/ou papel adesivo. Fazer com as próprias mãos torna a tarefa ainda mais divertida! 
Materiais simples, como as tintas feitas de terra, conferem um ar rústico e podem ser feitas por você. Veja como no link acima.
Madeira, simplicidade, reaproveitamento, sua segunda casa pode ser um canteiro de experimentos de um novo estilo de vida. Aproveite o momento Maria Antonieta para uma nova reflexão sobre seus hábitos de consumo do dia a dia. Precisa de tanta coisa, de tanta roupa, de tantas embalagens? Lembre que sustentabilidade é mais que moda, é atitude. Aproveite para rever a sua.
No mais, se puder ter uma segunda casa para chamar de sua, faça-a com amor e seja feliz!
Fotos Pinterest
 

Comentários
2 Comentários

Publicidade

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More