Publicidade

Postagem em destaque

10 Lições que aprendi na faculdade de Arquitetura

Recebo algumas correspondências falando de como os leitores gostaram dessa ou de outra postagem aqui do blog. E sempre fico super feliz! É ...

2013/07/01

Redução de São Miguel - meu olhar

Meus livros
Realizei mais um sonho de vida. Conhecer as ruínas da Redução Jesuítica-Guarani de São Miguel Arcanjo. E era sonho porque aprendi no colégio, bem pequeninha, a história de Sepé Tiarajú, um bravo índio guarani que morreu lutando pela sua terra. Aquele grito de guerra: ESSA TERRA TEM DONO me soava como um brado de liberdade que me marcou desde jovem.

Entre a criança que fui e a adulta que me tornei, muita história se passou. Muita leitura, releitura, versões e conclusões. Li muito sobre a história dos sete povos, a organização dos jesuítas, a contradição da fé que se impõem sobre culturas, a cobiça de tantos (reis, Igrejas, conquistadores) que fazem a diferença na vida comum do povo.

Mas, fui para esse passeio de mente aberta. Como quem abraça um sonho e não o mistifica. Fui olhar. E fui olhar não apenas com a mente de arquiteta, fui olhar como quem reconhece um momento de vida, de luta, de fé, de conquista. Ruínas de um sonho de muitos. Lembranças para nós, que tantas vezes nos sentimos gloriosos, que a vida passa, os templos caem, mas as ideias permanecem. Nem que sejam em forma de lembranças.
Missão de São Miguel
Um trabalho primoroso, onde culturas europeias e americanas se fundem na produção de beleza. Artesãos guaranis aprendem técnicas com os jesuítas, há toda uma organização. Havia abastecimento de água por fontes próximas, faziam vinho, forjavam ferro. Se ensinava a ler, escrever, havia hospital.
Missão de São Miguel
E majestosamente no centro de tudo, a Igreja. Para que nunca se esquecesse que a causa das reduções era levar a fé católica aos povos bárbaros dos confins da terra. E em nome dessa fé, apagar muitas vezes seus hábitos, suas cultura, seus próprios deuses. Dessa mistura de intenções, surgiu uma sociedade avançada. Com técnicas, com estrutura cooperativa, que fez sua história. E que foi esmagada por interesses outros. 
Missão de São Miguel
E de suas ruínas tiramos tantas lições. Cada um a sua. Uns que a marcam na pedra, como essa inscrição de 1929. Outros que vislumbram que a Vida sempre permanece e torna a acontecer, fazendo do patrimônio sua morada.
Missão de São Miguel
Duas coisas me impressionaram além da construção. O vento. O barulho do vento lá dentro chega a ser assombrante. Há momentos em que, sozinha, em cantos, me senti acompanhada do passado. E os pássaros. Esse branco especialmente que dava rasantes quase que me desafiando a perpetuar sua liberdade. E me mostrando que mais que imagem, a vida de verdade é feita de instantes. Não consegui fotografar seu voo. Mas nenhuma foto que fiz me marcou mais que ele. 
Missão de São Miguel

Missão de São Miguel
Por dentro desses espaços andaram homens, mulheres e crianças. Embaixo dessa grama, nos quatro cantos entre as árvores, eles descansam em seu repouso eterno. Vida e finitude. Fé. Permanência. Transcendência.
  Fotos Elenara Stein Leitão

  Fotos Elenara Stein Leitão
Meu olhar foi particularmente impactado pela vida vencendo a morte. Pela renovação sobre a ruína. Pela vegetação que se une à muros feitos pelos homens. Pelo jovem guarani que brinca no meio da lembrança de seu povo. Será a sua vida hoje muito diferente das crianças de séculos atrás? Teria sido se as Reduções pudessem ter vingado? Teria sido se elas nunca tivessem existido? Quem saberá? A História é feita dessas indagações.
  Fotos Elenara Stein Leitão
  Fotos Elenara Stein Leitão / junho 2013

Comentários
8 Comentários

8 Opiniões:

Gostei muito das suas reflexões a respeito desse olhar o passado com uma visão do presente.Particularmente, me sinto questionada sempre com a "violencia"de se forçar uma população a abandonar sua cultura
e seus hábitos.Eu me pergunto:será válido tudo isso?

Como todo questionamento histórico, creio que não conseguiremos responder. A História e a Vida se fazem de lutas, o mais forte abate o mais fraco. Será justo? Creio que não. Será possível que não mais aconteça? Também creio que não. O importante é estarmos sempre conscientes disso. Trabalho de formiguinha. Quem sabe um dia...
Obrigada por teu comentário Edna, esse retorno é super importante para mim. Grande abraço
Elenara

Elenara, fiquei arrepiada de ler seu post. Parabéns, seu olhar tem espiritualidade e poesia. Beijos, Cláudia

Muito obrigada Cláudia! Muito bom saber que tu gostou! Abraços
Elenara

Lindo texto e belas imagens, concordo que o instante, o momento, é mais significativo que qualquer representação virtual.

Obrigada Widhey Henrique! Adorei teu comentário. Abraço
Elenara

Maravilhoso esse teu trabalho e depoimento.Concordo com todos os comentários.A tua sensibilidade me fez refletir sobre a origem da nossa aguerrida ALMA gaudéria.
Não serão uns Felicianos e Renans de hoje que nos intimidarão nossos insensatos desejos- , liberdade e desenvolvimento.Lembra da música"Vento Negro" do Fogaça foi o que tu sentiu.É o mesmo... Abraço

Obrigada pelo comentário, Paulo Ricardo. Sempre tive muito presente essa herança da alma gaudéria. Abraços
Elenara

Publicidade

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More