Publicidade

Postagem em destaque

10 Lições que aprendi na faculdade de Arquitetura

Recebo algumas correspondências falando de como os leitores gostaram dessa ou de outra postagem aqui do blog. E sempre fico super feliz! É ...

2009/07/04

Fazer o novo


Li esse texto em uma lista de arquitetura. enviado pelo colega Vinicius Goncalves. Achei muito interessante pela reflexão que traz e resolvi compartilhar com todos. Vale a leitura.

 FAZER O NOVO

Por Antonio Caramelo*


Fazer o novo a cada projeto é o que o mercado espera de quem acumulou experiências fazendo arquitetura há anos, tendo o hábito de sempre surpreender a partir de uma base sólida com projetos inéditos e inabaláveis diante dos adjetivos superlativos com os quais tentam homenageá-lo ou testá-lo à exaustão. Mas, será que alguém já se perguntou onde está verdadeiramente "o novo" nos projetos arquitetônicos que vimos por aí nos últimos anos? O mais apressado diria que poderá ser visto ao folhear as páginas da última edição do "Architecture Now" onde estão as incontáveis maravilhas que estão sendo erguidas mundo afora, carregadas de ousadias e pretensões, num enorme desperdício construtivo em nome da forma e um desmensurado desafio a gravidade com tal monta, que cria a "Arquitetura Halterofilista". Tudo isso sem falar do abuso desnecessário de materiais sofisticados que só elevam o custo das obras a cifras impensáveis.

Buscar o "novo, de novo" ou o novo sempre como uma obsessão, como necessidade de distinção está mais próximo da busca do "novo pelo novo", como reconhecimento de sucesso a qualquer custo, sem propósito claro de um objetivo digno, edificante e significativo para alguém, além de quem o faz. 
Make a Difference

Buscar o novo traz implícito um "por quê?", "pra quem?", "por qual razão?" Caso contrário não faz sentido. Antes de tudo, o que é "o novo"? Será aquilo que se diferencia do que já foi feito, visto ou experimentado? Será mesmo novo o que se destaca apenas pelos materiais usados, novas dimensões e multiplicidade de funções? Não, não mesmo! Todas essas qualidades poderão estar reunidas e presentes em algo não necessariamente novo. Estamos cansados de ver repetidos e reelaborados projetos, soluções e propostas, apenas reciclados e mascarados por sofisticações como as descritas anteriormente que os fazem apenas diferentes, mas "ser diferente não é ser novo!" O novo é relativo a futuro. Contudo, vivenciamos um momento de muita coisa na vitrine e muito pouco na despensa, como disse sabiamente o pensador George Carlin. 

Fazer o novo requer além da mudança funcional estética e estrutural, como necessidade básica, a mudança, sobretudo de atitude e postura de quem faz, para que se proceda a inovação na essência daquilo que se pretenda produzir. É um exercício de futurologia competente e responsável embasada na sedimentação de informações, muitas observações, estudos, estatísticas e pesquisas acompanhadas de boa dose de intuição criativa.

Quero com esse texto fazer uma provocação aos arquitetos inquietos como eu que buscam "fazer o novo" na sua essência e não "na fachada", desculpem-me pelo inevitável trocadilho. Pois, pensar o novo é um exercício que em muitas vezes não aprendemos na escola. Vem de dentro, da busca individual. E na Arquitetura essa é uma condição indispensável, pois projetamos com os pés no presente e a cabeça no futuro. Então faço um convite para que cada um mergulhe nas suas entranhas a fim de buscar verdadeiramente "o novo" ao invés de "do novo, de novo". Como disse o arquiteto Frank Lloyd Wright na década de 40: 
 "o Arquiteto tem que ser um profeta. Um profeta no sentido literal do termo. Se ele não conseguir enxergar pelo menos dez anos à frente não o chame de Arquiteto."
* Antonio Caramelo, arquiteto baiano, atuou ao longo dos seus 38 anos de profissão nas áreas de construção civil, planejamento urbano e projetos arquitetônicos com predominância em Salvador além de cidades como Manaus, Belém, Cuiabá, Campo Grande, Fortaleza, Aracaju, Recife, Belo Horizonte, Uberlândia, Goiânia, Brasília, São Paulo, Ribeirão Preto, Campinas, São José dos Campos, Londrina, Curitiba, dentre outras

Fonte http://www.portaldoarquiteto.com//ponto-de-vista/antonio-caramelo/fazer-o-novo-de-novo.html

Leia também : Estimulando as ideias

Gostou? Conta para a gente a sua opinião. 

Siga-nos nas redes sociais
__._,_.___

Comentários
1 Comentários

1 Opiniões:

Ele fechou o texto com chave de ouro.
10 anos pra frente, é isso mesmo.

Um Lindo Domingo e uma Linda Semana


PS:Já visitei o Wordle, me aguarde.

Publicidade

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More